Nesta terça-feira (26/11), a Defesa Civil de Minas Gerais acompanhou a vistoria da Agência Nacional de Mineração (ANM) no Complexo Casa de Pedra, da empresa CSN, em Congonhas, em razão de um tremor de terra de magnitude 3.2 na Escala Richter na noite da última segunda-feira (25/11).

Foi realizada uma vistoria visual nos barramentos e também a leitura de diversos equipamentos de monitoramento. Não foi encontrada nenhuma alteração nas estruturas das barragens ou nas leituras dos instrumentos.

Na sequência, a Defesa Civil de Minas Gerais deslocou até a Mina de Fábrica, da Vale, que fica na região rural de Ouro Preto. Não foi possível realizar inspeções presenciais nas barragens, haja vista que as estruturas estão interditadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, em razão de se encontrarem em nível 3 de emergência (risco iminente de rompimento).

Dessa forma, foi feita uma reunião com os técnicos da ANM, os geotécnicos da Vale, representantes do Núcleo de Crimes Ambientais do Ministério Público (MP), Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (COMPDEC) de Congonhas e Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG/COMAVE).

A Vale informou que alguns aparelhos perceberam e realizaram a leitura do sismo na região, mas os equipamentos já apresentam leitura de normalidade. Além disso, inspeções visuais, por meio de drones, não apontaram nenhuma anomalia nas estruturas.

A ANM recomendou, tanto para a CSN quanto para a Vale, o monitoramento constante das estruturas e os repasses dos respectivos relatórios para aquela agência.

Defesa Civil de Minas Gerais: Sempre Presente